quarta-feira, 22 de abril de 2015

Resenha: "Bela Maldade"

Gente, como foi difícil resenhar esse livro. Não é porque o livro é chato ou porque ele seja complicado, mas é porque ele é MUITO BOM, e é o tipo de livro que qualquer vírgula é um spoiler. Mas vamos tentar ser legal com os leitores e não contar nada que vocês não devam saber antes de ler o livro.

"Eu deveria ter ido ao enterro. Não teria precisado chorar nem fingir desespero. Poderia ter rido amargamente ou cuspido na cova. Quem se importaria? Se eu ao menos tivesse visto baixarem o caixão à sepultura, jogarem terra no túmulo, teria mais certeza de que ela realmente está morta e enterrada."

Rebecca James conta a história de Katherine Patterson (nascida com o nome de Katherine Boydell) e sua mudança de vida e personalidade após o assassinato de sua irmã mais nova Rachel.


Katherine agora vive em Sydney com sua tia Vivien, seus pais moram sozinhos em Newcastle e cada um convive á sua forma com a perda de Rachel, uma garota jovem, bonita, tímida e uma prodígio na arte do piano. Uma garoto com um lindo futuro pela frente, mas um futuro destruído por sua morte.


"Assim, apesar do que os jornais disseram quando ela foi morta - todas aquelas especulações penosas e conjeturas equivocadas sobre nossa relação -, nunca perdi de vista o que eu realmente sentia. Eu adorava Rachel, tanto quando ela estava viva quanto depois de sua morte. Eu era - e sempre serei - sua fã número um."

Katherine quis começar uma nova vida em um novo lugar, onde ninguém conhecia sua história. A história de uma menina que teve sua irmã mais nova assassinada. E tudo estava indo relativamente bem, até ela ser convidada pela garota mais popular do colégio para seu aniversário. Alice, rica, vaidosa, carente e narcisista foi a primeira amiga que Katherine fez ao entrar no colégio. 

"Por um breve e insano momento, imagino que conto a ela meu segredo. Vejo a cena claramente, Alice e eu nessa sala; as duas um pouco bêbadas, dando risadas, feliz e ligeiramente acanhadas com o sentimento de ter feito uma nova amiga, uma amida especial; ponho a mão no joelho dela para que fique quieta e calada, para que saiba que estou prestes a dizer uma coisa importante, e então lhe conto. Falo depressa, sem fazer pausas, sem a olhar nos olhos. E, quando termino, ela se mostra afetuosa, pronta a perdoar e compreender, como eu havia esperado. Ela me abraça. Está tudo bem, e sinto-me mais leve por ter contado. Estou livre. Mas tudo isso é só um sonho. Uma fantasia louca. Não lhe conto nada"

E um dia Katherine, empolgada com essa nova amizade, convida Alice para ir ao seu apartamento e faz um jantar. Como sempre, a presença de Alice invade o ambiente e ela toma conta do espaço. As meninas bebem uisque, jantam, conversam banalidades até que Alice convida seu amigo Robbie para se juntar a noitada de amigas. Os três conversam, jogam, dançam, bebem e acabam dormindo no chão da sala. Mas em algum momento daquela noite, Katherine percebeu que Robbie não era apenas amigo de Alice.

"Ele a ama. A maneira como olha para ela, a maneira como atendeu a um chamado tão de última hora numa noite de sábado. Ele está completamente apaixonado por ela."

Mas não é apenas Katherine que esconde a verdade sobre Rachel a seus amigos. Tudo bem que o resto do pessoal não é exatamente um segredo, mas tá mais pra um fato que evitamos falar.

Robbie perdeu sua mãe para o câncer a pouco tempo. Ele sofre por isso e seu pai também e eles não sabem como lidar com a dor. E Alice também tem sua parcela de sofrimento, ela foi adotada por pessoas que detesta e tem um irmão que não cresceu com ela, que também foi adotado e acabou tendo certos problemas, do tipo que está preso no momento. Mas sua mãe biológica, Joane, está viva e quer "compensar' sua falta de interesse pelos filhos, gastando uma boa parte da fortuna que herdou com eles, uma coisa que Alice detesta admitir é que a mãe é uma viciada e que seu maior medo é ficar sozinha.

"- Acho que é por causa da mãe dela, dessas coisas. - diz ele. - A mãe de verdade dela. Toda aquela rejeição. Ela só pode ser um pouco desconfiada em relação ao amor."

Mas para Katherine, Alice é a amiga perfeita para ela: "Alice é exatamente o tipo de pessoa com quem devo conviver. Ela vive para o presente e, muito convenientemente, tem uma assombrosa falta de curiosidade pelo passado". Entretanto, tem um momento que Katherine resolve se abrir para Alice e contar quem era Rachel e o que aconteceu com ela.

Tudo estava indo bem entre o trio Katherine, Alice e Robbie, até que uma noite eles foram jantar juntos e encontraram Ben, um ex-namorado de Alice. Ela queria mostrar a Robbie que o que eles tinham não era nada demais e em uma brincadeira de Verdade ou Consequencia tudo veio a tona. Alice já tinha bebido mais do que devia e entrou no modo "Sim, essa sou eu" típico dela. 

" - Ok. - Em seguida ela olha pra mim com curiosidade. - Pois bem. No fundo, você ficou contente? Ficou contente de se livrar dela? De sua irmã perfeita? Ficou secretamente feliz quando ela foi morta?"

Sim, agora vocês podem surtar. Eu simplesmente não acreditei que ela disse isso. É isso o que é ser uma melhor amiga? Por que se é, quero morrer sozinha! AHAHAH. 

"Mas só consigo olhar para os olhos de Alice. Eles são frios, avaliadores, e as pupilas, tão dilatadas, que tudo o que posso ver é escuridão. Dura e inflexível. Profunda. Implacável. Ali, só há trevas."

Eu sei que vocês se interessaram! E vocês precisam ler! Esse livro é ótimo e o final é de tirar o fôlego, pelo menos foi o que eu achei. 

Fiquem a vontade para deixar comentários com relação á resenha, ao livro e, principalmente, o que vocês acharam deles! Quero muito discutir sobre!