terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Resenha: "Saga Enfeitiçadas - Livro 01 - Veneno"


Todo mundo conhece a famosa história da Branca de Neve. Rainha má que mata o Rei para obter poder, enteada chata, caçadores, anões, príncipes encantados, caixões de vidro e o beijo do amor verdadeiro.
Bom, esse clássico foi totalmente banido na saga Enfeitiçadas. A proposta da autora Sarah Pinborough é "Repense seus vilões".
Eu gostei bastante da forma que o livro foi retratado, então essa resenha contem spoilers, porque eu não resisti e preciso discutir com vocês leitores sobre o final. Então, para quem já leu o livro Veneno, deixem sua opinião nos comentários.


Nessa nova versão Branca de Neve tem o visual clássico, cabelos escuros como carvão, pele branca como a neve, amada por todos e principalmente por seu pai, que não está morto, ele na verdade foi para um guerra que provavelmente durará anos, então enquanto o Rei não volta para a casa, o Reino fica aos comandos de Lilith, sua jovem esposa bruxa. Ao contrário do clássico, onde a Rainha Má se casa com o rei só para obter poder, dessa vez a Rainha Lilith foi obrigada a casar com o pai de Branca porque foi dada em casamento por seu próprio pai, que quis se livrar dela após descobrir que toda a família de sua esposa está envolvida com a bruxaria.
Entretanto, assim como no clássico, a Rainha Lilith não vai muito com a cara de Branca de Neve, afinal todos a adoram, e Rainha sente inveja dela por ser tão amada, simpática e bonita. E nessa nova versão, Branca de Neve tem muito a surpreender, porque ela gosta de ir até o coração da floresta para ficar com seus anões mineradores e também gosta de dançar e beber cerveja em tavernas e principalmente, de vestir roupas masculinas e montar em cavalos agressivos.
A princípio, a Rainha não queria fazer mal a Branca, só queria vê-la longe. Em seu aniversário, ela deu uma festa e convidou diversos nobres na intenção de conseguir alguém para pedir a mão de Branca, casar-se com ela e ir para outro Reino. Porém Branca causou a ira da Rainha após levar para sua festa os sete anões fantasiados de um gigante. Lilith ficou furiosa com aquela brincadeira idiota e mais ainda pelo fato de Branca ter deixado bem claro a todos os seus convidados que não pretendia se casar.
 A Rainha detestava a forma como Branca de portava, principalmente quando se vestia feito homem. Por isso a Rainha mandou fazer vestidos mais apertados para Branca e rasgou suas roupas masculinas, com vestidos e espartilhos apertados ela não poderia montar sem seu cavalo feito um homem. Mas Branca não se deu por vencida, montou no cavalo mesmo sem conseguir respirar, o que resultou em hematomas nas costas e um desmaio que deixou todo o castelo a olhar para a Rainha com olhos incriminatórios de quem deseja matar sua enteada.
Sentindo-se arrependida, Lilith presenteia Branca com um pente dado à ela pelo gênio da lâmpada de bronze conhecido como Aladim. Segundo o gênio, esse pente traria felicidade. Entretanto, o pente era envenenado e acabou matando uma das amas de Branca que quis experimentá-lo. 
Devido a esse acontecimento, Branca se afastou o máximo que pode da Rainha. E Lilith tentou corrigi-lá comprando vestidos novos e isso resultou em machucados, depois Lilith tentou se desculpar e isso resultou na quase morte. Então, dessa vez, ela queria a real morte da princesa.
O típico caçador apareceu e se encantou totalmente pela beleza da Rainha e para defender a própria vida , ele disse que mataria Branca. Mas, ao encontrá-la nua e linda na floresta, desistiu de matá-la. Fez com que ela se escondesse com os anões e levou o coração de um cervo no lugar do coração da princesa.
Ao entregar a mercadoria para Lilith, ela não quis verificar o que tinha dentro,  a visão do coração não a agradava. Entretanto, sua bisavó, uma bruxa velha que morava numa floresta distante em uma famosa casa de doces e que ensinou a Lilith tudo o que ela sabia sobre bruxaria, percebeu que aquele não era um coração humano. Furiosa, a Rainha transformou o Caçador em um rato e o enviou para a floresta. 
A bisavó prometeu cuidar de Branca pessoalmente. Dito e feito, ela colocou seu rosto de vovó santinha e ofereceu à princesa uma maça vermelha, lustrosa e suculenta, além de envenenada, onde quem a mordesse só poderia acordar com o beijo do amor verdadeiro.
E o típico aconteceu. Branca comeu a maça, caiu em sono profundo e os anões a colocaram em um caixão de vidro. E eis a pergunta: cadê o príncipe? É nesse momento que ele aparece, está machucado e pertence ao Reino que está em guerra com o Reino de Branca. Os anões cuidam dele e o anão chamado de Sonhador o abriga ao lado do caixão de Branca. O príncipe está apaixonado pela beleza da garota e também pela descrição que Sonhador dá sobre a jovem. Um garota linda e encantadora que todos amam.
Para fugir da Rainha que ainda procura pela princesa, eles decidem que vão levá-la para o Reino do príncipe e assim, eles poderiam se casar. Mas, no caminho, o caixão cai no chão e todos descobrem que Branca não havia engolido a maçã envenenada, na verdade, o pedaço havia ficado preso em sua garganta e se soltou com a queda do caixão.
O príncipe estava apaixonado por ela e a propôs em casamento e ela disse "Por que não?". Se casaram em um vilarejo próximo ao Reino do príncipe e lá ele descobriu coisas que desconhecia sobre sua amada. Que ela sabia montar em cavalos indomáveis melhor do que ele, que vestia roupas masculinas, que comia bastante e que bebia cerveja melhor do que ele. Ela não era uma doce princesa, era forte e bruta. E o principal que ele descobriu (espantem-se todos) ela não era virgem.
Branca propôs que eles esquecessem que aquele casamento havia ocorrido, afinal, ela não era exatamente o que ele esperava. Mas ele discordou, disse que não a deixaria, que a amava e que ela era dele.
Agora vem o grande choque da estória. No dia seguinte à noite de Núpcias, o príncipe preparou o café da manhã de Branca. A primeira coisa que ela provou foi o suco de maçã e adivinhem com qual maçã esse suco foi feito! Exatamente, Branca caiu novamente em sono profundo e o principe voltou ao seu Reino, cheio em glória e com uma princesa que ele qualificou de defeituosa escondida sob panos em sua carruagem.
Ah vai, quem esperava por isso? Quem esperava que o principe fosse um filho da mãe e que a Branca não fosse tão pura e ingenua assim? Eu adorei essa versão do conto e espero o mesmo, ou ainda melhor, dos outros dois livros.
E vocês, o que acharam de Veneno?