terça-feira, 10 de novembro de 2015

Resenha: "Eu vejo Kate"

Resolvi fazer a resenha do livro "Eu vejo Kate - O despertar de um serial killer" e contar tudo o que li até a página 100. Por que a partir daí, tudo vira um spoiler atrás do outro e não quero ser cruel com ninguém.

A primeira coisa que você precisa saber sobre o livro é LEIA ELE! Esse é um livro que não pode faltar na prateleira de ninguém que goste de um suspense e até mesmo de quem não gosta, porque o livro é MUITO BOM.




Então, vamos começar essa resenha falando fisicamente do livro. "Eu vejo Kate" foi publicado pela Editora Empíreo em outubro de 2015, a autora Cláudia Lemes já havia escrito e publicado o livro por outra editora anteriormente. Duas coisas que me deixaram apaixonada pela parte física do livro. A primeira foi a capa. Estou apaixonada pela versão nova da capa ilustrada por Poul Carrion. Tudo nela tem associação com o que é contado no livro, e é por isso que ela é linda. Outra coisa que gostei bastante foi a gramatura do papel e a fonte escolhida, a combinação das duas faz um livro de 389 páginas parecer muito leve e bem organizado, os espaçamentos entre as letras dá uma perspectiva de limpeza e clareza no texto.

Agora sobre o enredo do livro. Ele não é só mais um livro sobre pessoas mortas. Ele é um livro contado de maneira diferente. E escrito de forma eficaz. Identifico aqui que para mim Cláudia Lemes simplesmente arrasou na sua forma de escrever. O livro ficou tão vem arranjado, as palavras coerentes, os termos usados nos momentos apropriados. Apesar de ser um livro pesado no contexto da sua narrativa, ele também é um livro simples de ser lido de acordo com a forma em que é escrito.



Bom, agora vamos ao resumo da narrativa. Tudo começa com a escritora Katherine Dwyer. Ela esta extremamente empenhada em escrever um novo livro, completamente diferente dos seus dois romances escritos anteriormente. Dessa vez ela quer escrever uma biografia. A biografia de um assassino. A biografia de um serial killer.

Tá aí mais uma coisa que gostei nesse livro. Adivinhem por quem é narrado? Pelo "espírito" do tal assassino. No momento em que Kate começa a pesquisar por ele, ele desperta e a cerca. Ele está lá, a observando e narrando seus passos para nós. Ok, ele não é o único narrador. Até agora são três narradores. Cada um narra a sua versão dos fatos. A sua visão. Um cara morto narrando. Diferente não é?

Afinal, quem é esse serial killer? Seu nome é Nathan Bardel, conhecido na região que atuou como "O ESFAQUEADOR DE DAMAS DE BLESSFIELD". Ao todo ele estuprou e assassinou 12 mulheres, esse é o número divulgado para todo mundo. E de cada mulher ele lembrou o nome, e a cada mulher ele associou a uma música clássica. No final do livro, está lá, a playlist de um assassino.

Por que Kate quis falar exclusivamente sobre esse cara? Porque eles nasceram e foram criados na mesma cidade. Isso chamou a atenção dela. Kate é uma mulher obsessiva e empenhada quando quer realizar alguma coisa. Faz uma pesquisa extremamente elaborada sobre tudo o que tem haver com Nathan. Conseguiu fotos e documentos da polícia. Montou um mural com anotações, fotos das vitimas e tudo o mais que conseguiu recolher. Ela estava pronta. Ela queria mostrar a vida de Nathan antes de ser um serial killer, queria mostrar sua infância triste, queria dar voz aos seus motivos para fazer tudo isso, queria mostrar que Nathan não é apenas um monstro. Porém, se empenhar tanto em entender a mente de um assassino exige não apenas muito esforço, mas um pé na loucura também. Há uma linha tênue entre entender um assassino e se tornar um. 

Kate é uma mulher organizada e determinada, mas assim como qualquer pessoa tem seus pontos fracos. Na adolescência, ela era uma pessoa que se cortava, que gostava de sangrar, que gosta de sentir a dor. Apesar da aparência séria, Kate é uma mulher perturbada.

Lembram que eu disse que haviam três narradores nesse suspense? Um deles é o assassino Nathan Bardel, outra é a escritora Kate Dwyner e o terceiro é o ex-perfilador Ryan Owen. Ele foi o responsável pela captura de Nathan. Ele foi a pessoa que chegou mais perto da mente desse criminoso. Uma pessoal extremamente envolvida na história. Afastado do FBI e separado da esposa, essa é a atual situação desse agente. Até Kate aparecer em sua vida de uma forma inesperada, para relembrá-lo de coisas que ele quer esquecer.

Até aí tudo bem, Kate quer escrever um livro diferente, busca informações com um agente do FBI, tem o espírito de um assassino a observando, mas o que acontece quando a editora não quer que ela continue com as suas histórias. O que acontece quando ela começa a receber ameaças de que seria melhor parar e deixar a história de Nathan morrer. O que há por trás disso tudo?

Segredos serão revelados nesse livro. Muita coisa está para rolar aí. Coisas sinistras. Você gosta de sangue e um bom mistério e suspense? Esse é o livro. Tudo nele é envolvente. A narrativa, o enredo, o mistério. Tudo chama a atenção nesse livro. O blog Epílogos e Prólogos super recomenda essa obra. 

Ainda não tem o livro? Saiba como adquirir Editora Empíreo