quarta-feira, 27 de maio de 2015

Resenha: "O segredo do meu marido"

Eu tenho uma breve lista de autoras que eu adoro: Emily Bronte, afinal ela quem escreveu meu livro favorito "O morro dos ventos uivantes", também tem a Jojo Moyes, ela sempre me fez chorar nos livros dela, e a diva J. K. Rowling, essa mulher mora no meu coração. E agora tenho uma imensa consideração por essa autora, Liane Moriarty. Que mulher sensacional! Que livro arrebatador!

Estava muito interessado na leitura desse livro desde a 3º Turnê Intrínseca, mas sempre fiquei adiando a leitura, finalmente concluí e simplesmente me apaixonei! 


O desenrolar do livro se passa na Austrália, nos dias atuais. Cecília é uma típica mãe e dona de casa, participa das reuniões de pais e professores na escola de suas três filhas, tem uma dispensa completamente organizada e é apaixonada pelo seu marido, Jean-Paul Flitzpatrick. Um dia ela vai até o sóton de sua casa, procurando algo da época de sua adolescência para mostrar a uma de suas filhas e acaba encontrando uma carta, antiga pelo visto, escrita pelo seu marido e ela deveria apenas ser aberta após a sua morte. 


Em outro lugar da Austrália, Tess, Will e Felicity formam um trio dinâmico. Tess e Felicity são primas, quase irmãs, filhas únicas de irmãs gêmeas e que possuem a mesma idade e compartilham das mesmas coisas. Will é marido de Tess e eles tem um filhinho, chamado Liam. Felicity compartilha da empresa criada pelos três e acaba de sair do estágio de obesidade mórbida para adulta sexy. Para Tess tudo ia bem no casamento dela, ela amava Will, amava seu filho e achava que Felicity se encaixava perfeitamente naquela família. Mas sua vida virou de cabeça pra baixo quando Will e Felicity se reuniram com ela para comunicar, que de repente, eles estavam apaixonados.

Enquanto isso, Rachel é uma senhora perturbada, seu único neto, o qual ela gostava muito, iria se mudar para Nova York, porque sua nora, a qual ela detesta, conseguiu um ótimo emprego do outro lado do mundo e levaria seu filho e neto com ela, deixando Rachel sozinha, com suas dores, afinal, ela era uma daquelas mães que perderam uma filha, assassinada.

É incrível como a história se desenrola. Tudo bem que eu já saquei o que estava escrito na carta antes do quinto capítulo, mas o conteúdo só é revelado entre o décimo quinto e o vigésimo capítulo. O mistério da carta é apenas o ponto de partida para uma história onde certas ações podem desenrolar tantas outras e alterar tantas vidas e mudar muitas histórias.

Ah, e o epílogo é de deixar o queixo caído!

A escrita de Liane Moriarty também é muito boa, deixa qualquer pessoa presa no livro. É bem reflexiva a história e dá pra se identificar bastante com alguns personagens.

Mais que recomendo a leitura desse livro. Se surpreendam!