segunda-feira, 28 de julho de 2014

Resenha: "Cidade das Cinzas"




Esse é o titulo do segundo livro da saga Os Instrumentos Mortais.
Agora que Clary e Jace sabem a verdade sobre serem irmãos, o clima fica cada vez mais estranho entre os dois, já que eles já se beijaram e ainda se gostam.
E Jace também enfrenta alguns problemas, como por exemplo, a mãe de Isabelle e Alec, a senhora Maryse Lightwood, que agora que sabe que Jace é filho de Valentim, o vê como um espião do pai e o expulsa do Instituto.

E como se não bastasse, a mãe de Clary e Jace continua dormindo e nem Luke ou Clary sabem o que fazer para ajudá-la.
Para piorar tudo ainda mais, aparece a Inquisidora Herondale, que é a representante da Clave e que veio buscar Jace e levá-lo a Idris para que seja julgado como um inocente filho de Valentim ou um espião.
Mas para levar Jace a julgamento e saber se ele está falando a verdade ou não, eles precisam da Espada do Anjo Raziel, um dos três Instrumentos Mortais que foi roubado por Valentim da Cidade dos Ossos.
Agora Valentim tem dois dos tres principais elementos para fazer dele uma pessoa muito poderosa. O que fazer para impedi-lo? E principalmente, o que ele fará com a Espada e o Cálice?
Eu vejo Cidade das Cinzas como um livro de transição, tem apenas uma coisa, muito importante, que acontece no livro, e tem relação com Simon, mas não deixa de ser importante lê-lo, porque ele dá aquele gostinho de quero saber como termina. Vale muito a pena lê-lo.