domingo, 9 de fevereiro de 2014

Resenha: "Como eu era antes de você"


Escrito pela autora britânica Jojo Moyes, o livro “Como eu era antes de você” é simplesmente surpreendente. Bom, não sei se vocês sabem, mas eu detesto ler sinopses de livros. Sim, eu escolho ler um livro pela capa ou pelo titulo ou por indicação de alguém, sempre começo a ler um livro sem ter ideia do que se trata ou apenas tendo uma leve suspeita do assunto por indicação do titulo.
Pois bem, pelo titulo eu achava que “Como eu era antes de você” se tratava de um romance onde a personagem principal era extremamente apaixonada por um cara que morria e então ela passava o resto do livro aprendendo a viver sem ele e reconhecendo como ele fizera diferença em sua vida.
Bom, eu até que acertei bastante coisas. Em 2007, o jovem muito bem sucedido Will Traynor sofre um acidente. Em mais um dos seus dias agitados como empresário, Will acaba sendo atropelado por uma moto quando tentava pegar um taxi para o trabalho. O resultado disso é um homem forte que adorava viajar e fazer esportes radicais, sem nunca mais poder mover seus braços e pernas. É isso mesmo, Will Traynor aos seus 33 anos, está tetraplégico.
Enquanto isso, em 2009, do outro lado da cidade, Louisa Clark (impressão minha, ou os pais dela eram grandes fãs das historias do super homem ?) acaba de ser demitida. A cafeteria onde trabalha há 6 anos estava fechando, o dono voltaria para sua família e por isso teria que fechar o café. Louisa tinha 26 anos, morava com seus pais e sua irmã Katrina, que mesmo sendo a irmã mais nova e mais inteligente, como toda a família gostava de lembrar, possuía um filho pequeno de 5 anos chamado Thomas e também morava com seu avô, que havia tido um derrame e precisava de ajuda para muitas coisas. Ela estava em um relacionamento que durava 7 anos com Patrick, um homem apaixonado por atletismo e que nunca havia comentado o assunto casamento com Louisa. Ela e seus pais viviam com dificuldades, seu pai havia tempo estava com medo de ser demitido do trabalho devido aos cortes de custos, sua mãe não conseguia trabalhar, já que precisava cuidar do vovô. Katrina trabalhava numa floricultura desde que tivera que abandonar a faculdade e sua promissora carreira por causa da gravidez. E Louisa ajudava como podia com seu pagamento semanal, que agora, não possuía mais.
Devido a necessidade financeira, sendo contribuída por pressão dos pais, Louisa procura outra emprego, mas pelo fato de não ter muita experiência profissional e nem ter feito a faculdade, ela tem dificuldades em conseguir um bom emprego.
Já no desespero, ela vai a uma entrevista para o cargo de cuidadora. Louisa tem serias dificuldades em se vestir formalmente, ela gosta de comprar roupas usadas de brechó ou de costurar roupas novas, como fazer um vestido com as cortinas de sua avô. Entretanto, em um terninho emprestado de sua mãe, ela vai a entrevista na casa dos Traynor. É isso mesmo, Louisa entra para a vida de Will, ela é contratada por Camilla, a mãe de Will para ser cuidadora dela.
Nos primeiros dias de seu emprego, Louisa queria muito desistir, Will era terrivelmente grosseiro e ríspido com ela, simplesmente não a queria por perto. Louisa foi contratada para dar suporte a Nathan, ele ficava responsável pelas necessidades médicas e era uma das poucas pessoas que conseguiam conversar com Will, parecia que nem os pais dele tinha tanta liberdade.
Um dia Will recebe a visita de dois amigos, Alicia e Rupert. Alicia era ex-namorada de Will e Rupert seu melhor amigo e eles trabalhavam juntos. Eles vieram anunciar que iriam se casar e queriam muito a presença de Will. Depois que eles foram embora, Will quebrou todos os porta retratos com as fotos dele e de Alicia. A partir de então Louisa foi conseguindo se aproximar de Will.
Até que descobriu o verdadeiro motivo por que estava lá, descobriu porque foi contratada pela família mesmo não tendo nenhuma experiência como cuidadora e entendeu o motivo pelo qual Will não gostava dela. Ela estava ali para impedir que Will não tentasse se matar novamente. É isso mesmo, Will um dia tentou se matar, ele encontrou um prego e tentou cortas os pulsos com ele. Sua família conseguiu salvá-lo, mas tiveram que fazer um acordo, em seis meses ele queria que o levassem para a Suíça, onde lá era permitido o suicídio assistido. Sim, Louisa foi contratada para animar Will, para fazê-lo mudar de ideia com relação a tentar se matar.
E ele tenta. Elabora viagens, passeios, coisas que possam mostrar a Will como ele ainda pode ter uma vida mesmo sendo tetraplégico. Eles vão se envolvendo, descobrindo coisas entre eles, vão se conhecendo, se ajudando. É muito emocionante a forma como eles se relacionam.
Tudo é um dilema. Will sofre, sente dores, não quer mais pensar nas coisas que ele não pode mais fazer, não quer viver sobre aquela cadeira, é agonizante e a única coisa que ele ainda pode decidir por si mesmo, é poder acabar com a sua vida. Mas Louisa está apaixonada por ele e será que por esse amor Will será capaz de viver?
Esse é um incrível romance, que mostra como Louisa era antes de conhecer Will e como ele fez com que ela tivesse ambições, quisesse mais da sua vida do que morar com seus pais, ter um relacionamento sem amor e jamais sair daquela cidade.

Eu me apaixonei por esse livro, me encantei com a lição de vida que ele representa e chorei com o final. Vale  muito ler esse livro, não tem quem não goste. É um livro para darmos valor a vida que temos.